domingo, 26 de agosto de 2007

O Ateu, o À-Toa e o Atentado

O ateu não se importa: eles que se explodam. Então eles começam a se explodir e a levar gente junto. O ateu se preocupa e começa a falar, então é acusado de fazer proselitismo, começam a dizer que ateísmo virou religião.

O à-toa não se importa: eles que se explodam. Mas eles já estão se explodindo e os à-toa continuam não se importando e ainda acusam quem acusa de acusar em vão e, mesmo sendo uns acusadores inconsequentes, continuam gravitando em torno dos lugares da monda e fingindo que o luar da madrugada lhes protege da realidade.

Quando a explosão ocorre perto o ateu se faz de profeta dizendo "eu disse" e os à-toa só conseguem continuar se perguntando “por que? por que? por que?” enquanto as tiros comem e a festa foi adiada. No fim a cidade acaba ficando sitiada e todo mundo acredita que ninguém avisou que poderia acontecer.