quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

Porque a Omissão do Cristianismo em Relação à Escravidão Segue Doendo Tanto

Se algum ateu está dizendo que a escravidão existiu POR CAUSA do Cristianismo, então está falando merda mesmo. Tem que ir estudar antes de se achar superior. Que fique bem claro que o Cristianismo não inventou e nem sequer fomentou a escravidão dizendo que 'vai que escravizar é bom, é gostoso, agrada a Deus e não faz mal.' Essa culpa o Cristianismo não tem. Mas tem uma que não é muito diferente.

O que ocorre é que, para um sistema de crenças que se pretende revelado pela própria divindade sumamente boa, que se arroga no direito de julgar toda a humanidade (incluindo os vivos e os mortos), é lamentável que o Cristianismo tenha feito tão pouco contra a escravidão.

Mas por que deveria? Deveria porque uma doutrina divinamente revelada deveria estar à frente de seu tempo, e não "sintonizada" com ele. Se eu hoje disser que o Corinthians vai ser campeão brasileiro eu serei digno de riso. Isso seria um vaticinium ex post facto (previsão do fato acontecido). Se eu disser quem será o campeão ano que vem e acertar, aí sim será notável. Se uma religião prega, com séculos de antecedência que a humanidade deve evitar algo que mais tarde se revelaria prejudicial, então isso é notável, mas se a religião apenas endossa a prática de seu tempo, ainda que prejudicial, então ela não está fazendo nada demais.

Um exemplo: vários livros do AT recomendam aos judeus cortarem os bosques dos povos conquistados, deixando apenas as árvores frutíferas. Nos bosques se cultuava a natureza, o que era "pecado". Graças à devastação comandada por Javé a palestina desertificou-se durante a antiguidade, deixando de ser a "terra de leite e mel" do tempo pré-exílico para ser o pedaço árido que os romanos ali encontraram.

Outro exemplo: a escravidão foi a responsável pela falha estrutural da civilização greco-romana (cuja tecnologia e conhecimentos só seriam igualados no século XIX). Pode não ter sido a única, mas foi a maior culpada. Sem falar no sofrimento incrível que causou às vitimas. Ao endossar a escravidão o Cristianismo prolongou e agravou a agonia da Europa, trouxe morte e destruição ao mundo inteiro.

E digo "endossou" pelo simples fato de que tolerou. Tolerar o mal é endossá-lo. A Igreja guardiã da moral e detentora da revelação divina não achava errado escravizar ninguém. Na Bíblia Paulo até aconselha os escravos a serem submissos.

Ao fazer isso, a Igreja não mostrou revelação à frente de seu tempo, mostrou apenas estar de acordo com o espirito do temop. Tal como hoje, nessa era consumista desenfreada e tão materialista, quando as igrejas vendem Deus como produto e os milagres como um serviço garantido. De acordo com o espírito do tempo. E portanto, totalmente isentas de revelação. Obra de homens apenas. Tal como todas as religiões anteriores.

Não é preciso ser profeta para enxergar o que todo mundo vê.