quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Deixemos que os Mortos Enterrem os Seus Mortos

Dois tipos de pessoas me incomodam neste mundo: as que defendem ideias mirabolantes somente pelo amor de destoarem do consenso, mesmo que tais ideias sejam absurdas, e as que se com­por­tam de forma incompatível com aquilo que proclamam ser. Exemplos do primeiro caso são os adep­tos de teorias minoritárias que resolvem ser céticos em relação ao conhecimento estabelecido, sem aplicar o mesmo ceticismo às teorias que atacam o «sistema». Assim são os que duvidam que o homem tenha ido à lua, os criacionistas, os anarco capitalistas, os últimos stalinistas e os propo­nen­tes do multiculturalismo. Exemplos do segundo caso são mais difíceis de discernir, porque é mui­tas vezes difícil discernir o que pessoas e grupos se propõem a ser. Como não publicam mani­festos nem estatutos, na maioria dos casos somos forçados a julgá-los pelos seus atos aparentes, uma circunstância que faz com que sempre nos acusem de interpretá-los mal. Existem, porém, alguns casos nos quais pessoas ou grupos efetivamente divulgam o que pretendem ser — nesses casos não há nenhuma defesa possível quando pilhados fazendo algo diverso do que consta em seus propósitos formais. A contradição não pode ser explicada senão por desvios éticos ou pela per­versão dos objetivos originais.

terça-feira, 11 de setembro de 2012

A Aposta de Pascal Reduzida ao Absurdo na Internet

Se você deseja defender uma opinião sua, qualquer que seja, deverá, naturalmente, escolher para esse fim argumentos que convençam com sinceridade e transparência, e não insinuações pessoais, provocação de medo ou apelo à ignorância. Quanto mais sólidos os seus argumentos, porém, menor a sua popularidade: argumentos racionais fazem com que as pessoas burras se sintam burras mesmo. Como a Constante de Auden nos ensina que a soma total da inteligência simultaneamente presente na humanidade tem se mantido constante nos últimos séculos, a conclusão óbvia é que haverá sempre mais pessoas dispostas a aceitar ideias idiotas do que explicações racionais. Sem falar nas vantagens evolutivas de ser crédulo, que já foram mencionadas por um etólogo agnóstico britânico famoso.

sexta-feira, 7 de setembro de 2012

A Ideologia da Inveja, ou a Inveja da Ideologia

Faz parte do pensamento direitista típico uma peculiar disfunção cognitiva: uma incapacidade de enxergar corretamente a realidade, o que os leva a interpretações muito equivocadas dos fatos. Há, de fato, dois tipos de direitista: o conservador e o reacionário. Tanto quanto existem dois tipos de esquerdista: o reformista e o revolucionário. Para entender como funciona esta disfunção da direita é preciso por estes quatro lados em perspectiva.

quarta-feira, 5 de setembro de 2012

Cotas Raciais e Racismo

Ontem tive a oportunidade de ser sabatinado no Facebook por alguns amigos virtuais que questionaram meu pensamento sobre as famigeradas quotas raciais criadas pelo atual governo (considero Dilma uma continuadora de Lula, então o «atual governo» começou em 2003). Dentre as muitas bobagens que disse, selecionei algumas mais elaboradas para compartilhar convosco…

segunda-feira, 3 de setembro de 2012

O PT e seu Projeto de Perpetuação no Poder

Todo reacionário nutre uma espécie de desprezo absoluto pelo Partido dos Trabalhadores e tudo o que ele representa, de bom ou de ruim, indistintamente. O PT só é unanimidade entre os reaças: eles o detestam sem ressalvas. Uma das muitas acusações que é feita contra o partido é que possui um projeto de perpetuação no poder. Tão forte é essa «acusação» que ela já transbordou dos núcleos mais duros do reacionarismo e atingiu o mainstream político. Hoje você vê políticos de várias correntes oposicionistas e veículos da grande imprensa dando vazão ao conceito de que existe uma tentativa «lulopetista» de eternizar-se na presidência. Para uma acusação que começou com Olavo de Carvalho e Merval Pereira (o imortal que não escreveu nenhuma obra literária) é até uma difusão surpreendente.