quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

O Mundo Mudou, e Eu Não me Encontro Mais Nele

Quando eu era adolescente, a gente tinha uma intuição secreta de que todos mentiam para nós, o tempo todo. Sabíamos mais ou menos que estávamos saindo de uma ditadura, havia uma certa perplexidade com a televisão, que exibia nu frontal em propaganda do jeans Villejack e um busto feminino nu em uma propaganda de iogurte. Havia algumas vozes dissonantes na mídia: bandas de rock e pop que criticavam o «sistema» com versos que denunciavam a manipulação da opinião pública pelo governo: Plebe Rude, Capital Inicial, Lobão, Legião Urbana. Os mais comportados, claro, faziam mais sucesso: Kid Abelha, Biquíni Cavadão, Ultraje a Rigor, Marina Lima. Havia uma sensação generalizada de que era preciso questionar o que aparecia. Os «descolados» eram os que traziam esse ceticismo. Chamavam-nos a um canto e diziam: a televisão mente para você, o governo mente para você. As teorias de conspiração rolavam soltas, desde as de fundo místico, como o menino diabo paulista, até as mais politizadas, que diziam que as vacinas eram usadas pelo governo para marcar as pessoas. À medida em que fomos crescendo, essa desconfiança em relação à informação disponível nos levou a buscar conhecimento. Algumas dessas crenças e desconfianças desapareceram diante da luz dos fatos, outras apenas mudaram de forma.

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

As Redes Antissociais

Cada dia que passa me trombo com novas evidências de que as redes sociais têm, no fundo, um modus operandi diferente do ideal que é propalado pelos seus entusiastas. Com todos os seus defeitos, a Deep Web me parece ser o espaço realmente revolucionário, onde a promessa de liberdade anárquica da rede se cumpre. Redes sociais são cercadinhos mentais, que impedem o desenvolvimento do espírito crítico.

Não sei até que ponto isto é defeito colateral ou uma característica designada. As redes sociais, afinal, não foram criadas com finalidade política, mas meramente como uma espécie de correio galante. A única delas que ofereceu ferramentas realmente eficazes para o contraponto de ideias foi o Orkut, mas ele já não faz parte dos planos de ninguém.

domingo, 3 de fevereiro de 2013

Vá Pelo Raso, meu Filho

Para todo fato complexo existe uma explicação simples... e furada.

Quanto mais simples a pessoa, maior sua tendência a buscar explicações simples, para não ter que lidar com ideias complexas.

A grande ilusão de nosso tempo é substituir o esforço pela mágica. A malhação pelo anabolizante, a construção pela prefabricação, a dieta e o exercício pelo remédio milagroso que "seca gordura", o conhecimento profundo pelas teorias rápidas e redutoras.

A internet é o veículo destas simplificações, que apelam aos simples.

Quem não sabe nadar, procura cruzar o rio pelo vau.

Radicalismo Anarcomiguxo: o Sonho da Soberania Individual

Você talvez nunca tenha ouvido a expressão “homem livre na terra”, nem sua formulação original em inglês (free man of the earth), mas se acompanha este blogue e outros que estudam o fenômeno anarcomiguxo já deve ter uma compreensão instintiva do assunto que abordo hoje: a aspiração, não, o sonho de abandonar a sociedade corrupta e viver em liberdade, fora de seus limites. Sente-se e relaxe, você está de novo embarcando rumo aos abismos da argumentação libertária. Vem comigo!